Follow by Email

8 de setembro de 2010

Pecados Capitais: Orgulho



O orgulho é um sentimento de duas faces, tem os seus lados e os seus avessos. O orgulho caminha muitas vezes de mãos dadas com a crise conjugal, impingindo-nos a repensar a relação, seja para continuar, seja para cair fora, mas, como disse, tem também seu lado positivo – vai do gosto e do uso do freguês. O orgulho pode vestir a roupa da soberba e do egoísmo, mas também pode ser revestido por elogios e coisas boas.

O orgulho tem sua faceta maligna para o relacionamento, vencê-la é, sobretudo, uma questão de vivência, pois o nosso temperamento pode nos causar problemas. E mais: é o nosso orgulho que nos mantêm, cegamente, neles. O orgulho é traiçoeiro. O amor cria. O orgulho destrói. O amor explica. O orgulho complica. O amor multiplica e divide. O orgulho subtrai. O amor perdoa. O orgulho culpa. O amor unifica. O orgulho separa. O orgulho é a matéria-prima dos outros pecados capitais. O mais perigoso deles.

E há o orgulho saudável, isto é, aquele que nasce do coração, salta às vistas e deixa a vida mais iluminada, alegre e colorida. O dicionário o conceitua também como “sentimento de dignidade pessoal e de sua preservação”. O orgulho tem o poder de nos manter unidos e conservar a nossa espécie – é ver o lado bom das coisas e das pessoas e se contrapor à vertente fechada, solitária e egoísta, cultivando valores como admiração e reconhecimento. Pense nisso, caro amigo!

**

Sou orgulhoso e bato no peito. Você também se orgulha de ser uma mula (com todo o respeito aos bichos que são bem engraçadinhos)? Orgulhar-se do seu orgulho quando ele age apenas em seu próprio benefício é algo no mínimo incoerente numa relação. Claro, lhe deixa mais forte diante de si mesmo tornando-o mais certo de quem você realmente é, ou pensa que é. Mas será que não o impede de ter relações mais sinceras e sadias baseadas na troca e não na imposição?

Ser orgulhoso no trabalho nos leva muitas vezes a um patamar superior, uma promoção, quem sabe. Ser orgulhoso no futebol lhe capacita a fazer um gol bonito, sozinho. Mas ser orgulhoso em qualquer atividade que envolva mais um (e não vale seu ego, ok) é bem preocupante.

Dar o braço a torcer, concordar com o parceiro, desculpar-se, voltar atrás não são atitudes vergonhosas. Pelo contrário são muito difíceis de fazer e, por isso, muito honradas. Já que se acha tão dono de si, faça do orgulho um ato positivo (sim, ele é uma moeda de duas faces), por que não?

Na próxima vez que tiver uma briga, pense bem se você não é o culpado ou se não poderia ser o primeiro a dar um passo para a reconciliação. Se acha que isso é atitude de fracos, fique sozinho e fortaleça seu próprio ego, talvez seja a única companhia viável para alguém como você.

3 comentários:

juliana disse...

Não sei qual dos pecados é o pior, mas o orgulho nos impede muita, coisa, atrapalha, sufoca.
Bjos, adoro ler vcs.

juliana disse...

estão de greve?

Mayara Paz disse...

Querida Juliana,

Tirei férias, mas já estou de volta com uma infeliz realidade do blogspot. Está "travando" (palavra mais sutil possível) para publicação do texto no padrão anterior. Uma lambança da formatação das palavras, diria. Enquanto vemos uma alternativa melhor no html, indico leitura de outro trabalho: http://reflexaoaomeiodia.blogspot.com
Beijo grande e em breve (se o html ajudar e São longuinho idem), voltamos.