Follow by Email

27 de dezembro de 2009

Um feliz amor

Um página em branco, novinha, pronta para ser escrita. Rabiscos, rascunhos, cores, esboços. A arte será feita a seu bel prazer, do jeitinho que mais lhe interessar e com a autonomia que lhe é devido. Um presentão? Pois bem, esse é o ano novo que está entregue em suas mãos e cujo desfecho será provocado simplesmente por você mesmo.

Se você romperá um relacionamento ou fará dele eterno, só depende de você mesmo. Claro, a relação é feita por duas pessoas, mas não se esqueça que toda ação tem uma reação, portanto, você receberá o que lhe lhes der – cabe a você saber se prefere ganhar tomates ou flores.

E se quer uma dica de quem muito aprende a cada novo dia, ame. Ame o máximo que puder e com todas as forças do seu ser. Amor é algo quanto mais se dá, mais se tem e quem mais ganha é você mesmo, pois mesmo que não seja correspondido, fuma grande energia positiva foi emanada para dentro do seu coração e as lembranças de ter amado jamais serão negativas. Então, mãos à obra! Pincel, batom, seja qual for sua palheta preferida, faça do ano um colorido de amores.

Um feliz amor. (MP)


**


E, finalmente, chegamos à última semana do ano. É hora de renovar os planos, pensar no futuro, planejar metas, voar longe, muito longe, sem medo de ousar e conquistar as coisas que queremos, quer seja no campo pessoal, quer seja em outros campos. As pedras estarão pelo caminho, sem dúvida, mas pensemos e lutemos, sem medo dos erros ou das dificuldades. A minha champagne está trincando de gelada à espera do momento certo para celebrar o novo ano que está se apropinquando.

E você, que está preparando para o próximo ano, caro leitor? Namoro? Noivado? Casamento? Por que não? Eu quero sempre mais e mais, por exemplo. Eu começo o novo ano solteiro novamente, mas cheio de esperanças e notícias boas. O ano foi repleto de coisas positivas, no entanto estou sedento de mais coisas novas, momentos marcantes e pessoas inesquecíveis. Eu quero mais ( e não aceito pouca coisa). A minha lista de desejos para o próximo ano é extensa. O ano promete.


Eu vejo um Ano Novo com muitas surpresas para mim. É verdade que terei meus dias de preguiça, de irritação, de tédio, de cansaço, de tristeza, mas haverá, também, os dias de felicidade extrema. E essa recompensa depende (e muito) da minha postura. A vida pede atitude! É como reza o provérbio, “a gente colhe aquilo que planta”. É, por isso, que estou plantando muitos sonhos e planos para poder ter grandes resultados. Feliz Ano Novo a todos!!! Até 2010!!! E vamos comemorar!!! (CE)

20 de dezembro de 2009

Fácil e Difícil

Reverência ao destino

Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que se expresse sua opinião...
Difícil é expressar por gestos e atitudes, o que realmente queremos dizer.

Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias...
Difícil é encontrar e refletir sobre os seus próprios erros.

Fácil é fazer companhia a alguém, dizer o que ela deseja ouvir...
Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer a verdade quando for preciso.

Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre a
mesma...

Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer.

Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado...
Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece.

Fácil é viver sem ter que se preocupar com o amanhã...
Difícil é questionar e tentar melhorar suas atitudes impulsivas e as vezes impetuosas, a cada dia que passa.

Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar...
Difícil é mentir para o nosso coração.

Fácil é ver o que queremos enxergar...
Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto.

Fácil é ditar regras e, Difícil é segui-las...
(*) Carlos Drummond de Andrade

13 de dezembro de 2009

Morto ou vivo?

O último mês do ano está chegando e é hora de pensar nas coisas que aconteceram, mudar de planos ou, quem sabe, recomeçar uma nova vida. Responda-me, caro leitor. O seu ano foi proveitoso? O seu relacionamento foi motivo de muitas surpresas ou decepções? Valeu à pena? Esse ano, e os demais, não podem ficar em branco, pelo contrário, o tempo de convívio tem que ficar marcado em nossas memórias. O tempo perdido não volta mais, é como a flecha lançada e as palavras ditas.

A vida e o amor devem valer à pena e, portanto, uma pausa para pensar nos momentos vividos é importante para manter a chama do amor acesa. O relacionamento é algo que deve estar em constante avaliação e discussão, como parte do ciclo da vida. O seu parceiro ou parceira deve (ou deveria) ter acrescentado-lhe alguma coisa neste ano que está acabando. A balança do amor não pode pesar demasiadamente para nenhum dos lados. O equilíbrio é fundamental.

O meu ano amoroso, por exemplo, reservou muitas alegrias, mas muitas decepções. O importante é continuar acreditando no amor, pois a vida segue, e continuarei sorrindo para ela. É tempo de repensar, recomeçar, evoluir, melhorar e conjugar os verbos que mantenham o relacionamento vivo. A época é apropriada para isso: mudar o que tiver que ser mudado, melhorar o que tiver que ser melhorar, ou, ainda, continuar o que tiver que ser continuado.(CE)



**

“Sempre desprezei as coisas mornas, as coisas que não provocam ódio nem paixão, as coisas definidas como mais ou menos...Tudo perda de tempo. Viver tem que ser perturbador, é preciso que nossos anjos e demônios sejam despertados, e com eles sua raiva, seu orgulho, seu asco, sua adoração ou seu desprezo. O que não faz você mover um músculo, o que não faz você estremecer, suar, desatinar, não merece fazer parte da sua biografia”.

Concordem ou discordem, a verdade das palavras não sumirá. Quem gosta do morno, do tanto faz, do nem fede nem cheira? Sejamos honestos, ninguém, muito menos quando ao olhar para trás percebemos que o ano foi inválido e não acrescentou nada à sua vida. E, aproveitando, como foi o seu ano? 365 dias mornos? Houve uma evolução no campo amoroso ou manteve-se inerte dia após dia? A virada do ano nos traz reflexões e essas são sempre necessárias, embora nem sempre sejam fáceis.

Os meus foram importantes, cadenciados, perturbadores algumas vezes, mas realmente bem vividos. Nesse ano descobri o que realmente quero, embora tenha sido por vezes assustador, mas quer saber? Apesar das dores, temores, foi o melhor ano da minha vida, afinal, não fiquei no morno dos dias sem sal e na frieza dos passos sem lembranças. Arrisquei, remodelei, afinal estou viva. E você, morreu em vida e nega o óbvio ou segue realmente viva? (MP)

7 de dezembro de 2009

Pausa para o café

Altar Particular
(Maria Gadú)

Meu bem, que hoje me pede pra apagar a luz
E pôs meu frágil coração na cruz
O teu penoso altar particular
Sei lá
A tua ausência me causou o caos
No breu de hoje sinto que o tempo da cura
Tornou a tristeza normal
Então, tu tome tento com meu coração
Não deixe ele vir na solidão
Encabulado por voltar a sós
Depois que o que é confuso te deixar sorrir
Tu me devolva o que tirou daqui
Que o meu peito se abre e desata os nós
Se enfim, você um dia resolver mudar
Tirar meu pobre coração do altar
Me devolver, como se deve ser
Ou então, dizer que dele resolveu cuidar
Tirar da cruz e o canonizar
Digo, faça o melhor
O que lhe parecer
Teus cais, deve ficar em algum lugar assim
Tão longe quanto eu possa ver de mim
Onde ancoraste teu veleiro em flor
Sem mais, a vida vai passando no vazio
Estou com tudo a flutuar no rio
Esperando a resposta ao que chamo de amor

Estou com tudo a flutuar no rio
Esperando a resposta ao que chamo de amor

Estou com tudo a flutuar no rio
Esperando a resposta...