Follow by Email

16 de agosto de 2009

Sugiro que me respeite

Sou exigente. Nunca neguei. Cobro como me cobram, e não tenho papas na língua quando é hora de pedir a reciprocidade daquilo que emito. Por que digo isso? Para esclarecer que o respeito é item básico no meu caderninho de exigências e quem quiser fazer parte de minha vida é obrigado a me respeitar.


Sem o respeito o amor não rende, a honestidade não existe e as mazelas são o arroz e o feijão do cotidiano, sem sal algum ou pimenta para temperar sua vida. Se você é partidário dos insossos vá em frente, mas se é dos meus, que marca os passos da vida com realizações e não fugas, não viverá sem respeitar ou ser respeitado.

Mentiras, fugas, provocações, escapulidas, desonestidade, ausência não são e nunca serão sinais de respeito. Sabendo disso, avalie em que nível de involução você está. Do contrário, meu bem, a reação será igual ou de maior força àquilo que você provocar. Se você não sabe, faço o favor de lhe esclarecer que não adianta tentar enganar, pois o mundo dá voltas e, dependendo das suas ações, quem está hoje de frente para você amanhã serão meras costas. (MP)



**

O respeito é bom, é ótimo, e dele todos nós gostamos. O respeito é o cartão de visita de qualquer sujeito minimamente educado e não deveríamos perdê-lo de vista em nenhuma situação, mas cultivá-lo com esmero. O amor nunca é demais no relacionamento, mas é, com certeza, insuficiente para sustentar uma vida amorosa. O amor é construído de muito respeito e praticado nas nossas ações diárias, pois, como sentencia o brocardo, “é dando que se recebe” – simples assim.

Eu, no auge do meu jeitão imperioso, não aceito viver sem respeito e qualquer vestígio de insegurança é sinal que está na hora de repensar o relacionamento – ou respeita, ou fica sem, não tem terceira opção, por isso, a vigília é intensa. O meu tempo é muito precioso para desperdiçá-lo com investidas aventureiras. A prática do amor é o respeito. A minha sorte é que, apesar das minhas manias e chatices, encontrei uma pessoa que entende o valor da palavra respeito e aceita o meu sobredito “jeitão”.

O respeito é aquele ingrediente indispensável a qualquer relacionamento, quer seja amoroso, quer não o seja amoroso, porque é a condição mínima da nossa vivência como irmão, estudante, namorado, marido, empregado. Você respeita e será, logicamente, respeitado. A situação não importa: o respeito tem que estar sempre presente, principalmente, na intimidade da vida a dois. O pacto do amor agradece! (CE)

Um comentário:

Juliana disse...

Respeito é bom, o amor agradece e engrandesse...
Bjos, belo texto!!