Follow by Email

7 de setembro de 2009

Independência ou Morte?

Independência ou morte, ou será morte à independência, caro leitor? A independência, a meu ver, tem as duas faces: aquela positiva com a qual, rotineiramente, sonhamos, e aquela negativa que deixa os seres humanos autossuficientes e individualistas, conduzindo-os para uma arenosa impressão de liberdade. A liberdade amorosa, resumindo-a, é poder agir livremente de acordo com a nossa consciência, e ser obrigado a agir apenas naquilo que o convívio amoroso nos impõe.

Quem quer ser dependente? Quase ninguém. As pessoas querem ser independentes, mesmo que não saibam o sentido disto, mas os relacionamentos têm algo de muito importante que poucas pessoas notam, ou quando notam se sentem incomodadas: os limites. Eles determinam a medida certa das nossas posturas, comportamento e ações, pois um relacionamento envolve duas partes (eu e você, ou você e outra, ou um terceiro e outra pessoa, e assim por diante) com gostos e pensamentos distintos.

E, realmente, os limites nos importunam, já que nos dizem como devemos, ou como deveríamos, agir – por isso, muito cuidado, porque a independência é uma conquista apetecível, mas viver uma vida completamente independente e desregrada não é não, principalmente porque quem decidiu levar uma vida a dois não pode nem pensar em grito de independência, uma vez que estará eternamente preso pelos laços do amor! É isso ou morte! (CE)



**



Seja independente, estando ou não namorando. Não dependa do outro e não o coloque como detentor de sua felicidade. E isso na área financeira, emocional, racional. Sim, seja também livre, pois a relação não é e nem deve ser uma prisão e quando assim aparentar, melhor fugir antes que seja perdida a chave. Mas, não exceda! Nem liberdade em excesso e muito menos independência desmedida são aceitáveis. Passam dos muros do "a dois" para o "apenas um" e um egoísta + um é igual a zero.

Jamais esqueça que sua independência e liberdade não devem interferir de forma negativa na liberdade do outro. Se quer sair sempre, não telefonar, não perguntar e apenas comunicar suas vontades e atos, por que se dispõe a namorar? Continue com seu umbigo, pois parece ser o melhor companheiro para alguém autossuficiente.

Se deseja independência desmedida, é sinal que não está preparado para uma relação verdadeira e sólida. Amadureça um pouco mais, reflita e somente depois se disponha a amar, pois colocar-se como única pessoa importante e com vontades na relação, é um erro que muitos cometem, mas poucos tem a coragem de reconhecer. (MP)

Um comentário:

Juliana disse...

Jamais colocar sua vida e sua felicidade na dependência da outra pessoa, caso isso aconteça a sua é anulada totalmente...
Quando assumimos um relacionamento, seja namoro ou casamento, precisa sim existir uma satisfação dos dois lados, senão ficar sozinho ainda é a melhor opção.
Bjoss!!!